quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

Colégio Exato investe no entendimento das dificuldades dos alunos para melhorar o desempenho deles na aprendizagem

O Colégio Exato Prime tem como um dos principais pilares a melhoria das condições do processo de ensino-aprendizagem, utilizando técnicas e métodos que possibilitem soluções de problemas no ambiente escolar. Para isso, investe na Psicopedagogia, que tem como foco mesclar as ciências da Psicologia e da Pedagogia, com o objetivo de entender as dificuldades e melhorar os processos de assimilação de conhecimento.

“Acreditamos que aprender compõe um conjunto de ações e de diferentes sistemas que intervém em todo o sujeito. Sendo assim, trabalhamos para que o psicopedagogo, juntamente com toda a equipe, possa atuar na construção de um espaço adequado às condições de aprendizagem, lidando com as dificuldades e, ao mesmo tempo, traçando uma proposta de intervenção, capaz de contribuir para a superação dos problemas desses alunos”, disse a coordenadora pedagógica, Maysa Alcântara.

De acordo com a psicopedagoga do Exato Prime, Gisele Lima, vivemos na era dos déficits e transtornos de aprendizagem. “Dislexia, disgrafia, discalculia, dislalia, disortografia e o TDAH são alguns deles, contudo é importante salientar que nos problemas de aprendizagem que levam ao não acompanhamento do fluxo, é imprescindível o fortalecimento da parceria família/escola no suporte a esse indivíduo em formação”, explicou.

Gisele adianta que esse trabalho nunca é individual. “A comunidade escolar trabalha em prol do sucesso do processo, detectando as dificuldades, sejam elas comportamentais, sociais ou cognitivas, com o objetivo de evitar o fracasso escolar e, dessa forma, proporcionar ao nosso aluno uma aprendizagem emancipatória”, afirmou.

Saiba mais

A Psicopedagogia é uma área de especialização que envolve tanto a Pedagogia quanto a Psicologia. De forma geral, é a união das duas profissões e seus conhecimentos, já que tem como foco os processos mentais que envolvem a aprendizagem.

O profissional de Psicopedagogia é especializado para auxiliar pessoas que apresentam dificuldades em processos de aprendizagem, independentemente do motivo. Inclusive, ajuda em casos de distúrbios ou transtornos (TDAH ou TEA, por exemplo).

Estuda as formas como o ser humano consegue entender novas informações e todas as variáveis que podem influenciar isso. Quando você se forma nessa área, pode identificar a disfunção e suas razões e, a partir disso, pensar em tratamentos, acompanhamentos e terapias que possam servir. Isso vale tanto para crianças, nas escolas, quanto para adultos, no ambiente de trabalho.

Assim, é indicada quando:

– A criança apresenta dificuldades de aprendizagem ou de atenção;

– Tem problemas em se relacionar com os colegas de sala;

– Apresenta dificuldade com lógica, leitura ou escrita;

– Não tem motivação de aprender novidades;

– Não mostra interesse nos estudos, mesmo quando outras abordagens são tomadas.

Fonte: Blog Pitágoras

O Colégio Exato Prime fica localizado na Rua Pascoal Leme, no Bairro Maurício de Nassau, em Caruaru. Mais informações pelo telefone (81) 3721-7737 e pelas redes sociais
www.exato prime.com.br (portal) @exatoprime (Instagram) e exatoprime (Facebook).

Episódios de ‘Diário dos Fashionistas’ estão sendo disponibilizados no YouTube

Talento, música, dança, alegria, beleza, fofura. Esses são alguns adjetivos que descrevem a websérie Diário dos Fashionistas, que estreou no domingo (21), às 18h, no canal Fashionistas de Salvador, no YouTube. Com 12 crianças de Salvador, o programa é diversão garantida para toda a família!

A série é um misto de dramaturgia e reality show, comandado pela apresentadora e ex-dançarina da Companhia do Pagode, Sara Verônica, e conta a história de 12 talentosas crianças que sonham em fazer sucesso como artistas.

Diário dos Fashionistas – a série terá curta duração, com apenas seis episódios que serão exibidos quinzenalmente, aos domingos, no mesmo horário, durante três meses.

As estrelas mirins da série são: Evelyn Lara, de 11 anos de idade; Isabella Vitória, de 10 anos; Ananda Luiza, Emilly Freitas e Rebecca Silva, as três estão com 9 anos de idade; Bibi Vidal e Kauan Gabriel, ambos com 8 anos; Laísa Paixão e Maria Júlia, de 7 Anos; Mariana Cezar, de 5 anos; Liane Helena e Malu Leite, que têm 4 aninhos apenas.

O seriado é fruto dos Fashionistas de Salvador, formado por crianças
“blogueirinhas” talentosas. O grupo, que completa quatro anos em março, foi criado por Sara Verônica, no âmbito do programa Bahia é Show (que migrou da CNT Bahia para o Aratu On), do qual é apresentadora.

Para Sara, que é também a produtora da série, o Diário dos Fashionistas mescla o que ela mais gosta de fazer, já que dançar e trabalhar com crianças são suas paixões. Ela conta que se sente muito gratificada, “pois vejo crianças mostrarem seu talento. Percebo que criamos estrelas e meu sonho hoje é ver elas voarem. Estou muito feliz, pois o trabalho está indo pelo caminho certo”, comemora a artista. A série conta com a direção e roteiro de Léo Oliveira.

Dentre as mais de 100 crianças do grupo Fashionistas de Salvador, foram selecionadas as 12 mais preparadas para estrelarem a websérie. A escolha foi feita por um trio de jurados composto pelo produtor Cláudio Sena; Adan Nascimento, jornalista do jornal Massa!; e a apresentadora Pérola Dejus, do quadro Mundo da Pérola, do programa Clube da Alegria, da TV Aratu (SBT). A jovem também integra o elenco do Diário, interpretando uma repórter teen.

Sinopse:

Depois de um cansativo dia de trabalho, Sara (Sara Verônica) chega em casa e é recebida por sua mãe, Tininha (Laurentina de Jesus), que foi visitá-la. A apresentadora então desabafa, falando que está triste, pois falta algo em sua vida, já que sente saudade do tempo em que era dançarina. Ela lembra com nostalgia dos momentos inesquecíveis, quando viajava por todo o Brasil, fazendo shows e alegrando o público. Seu filho (Alexandro Barbosa), que escuta tudo atentamente, tem então uma grande ideia: Como a apresentadora gosta muito de criança e também de dançar, o jovem sugere que ela crie um grupo de crianças para ensiná-las a dançar.

Sara gosta da ideia. Logo em seguida, se depara com a notícia de um concurso de dança entre grupos infantis. A apresentadora percebe que esta é a chance de colocar sua arte novamente em prática; desta vez, não apenas como dançarina, mas também como professora. Ela então passa a divulgar o projeto, o que gera uma corrida para a inscrição. A seleção das crianças para o grupo de dança Fashionistas de Salvador se dá em forma de reality show, no qual cada participante se apresenta com uma dança de sua escolha, enquanto é avaliado por três jurados. Os aprovados passam a ensaiar sob a orientação de Sara. Nos dias dos ensaios, cada criança fará um diário, no qual contará, de forma espontânea, sem roteiro, um pouco sobre a sua vida e o seu dia a dia.

Serviço:

Estreia do Diário dos Fashionistas – a série
Local: canal Fashionistas de Salvador, no YouTube
(https://www.youtube.com/channel/UCjv8P83jCEw0gC427LvdRew/featured)
Data: 21/02/2021 (domingo)
Horário: 18 horas
Instagram da websérie Diário dos Fashionistas: https://www.instagram.com/diariodosfashionistasaserie/ Instagram dos Fashionistas de Salvador: https://www.instagram.com/fashionistasdesalvador/?igshid=98z8cmjpc7eh

Franquias nordestinas começam o ano em crescimento

O ano de 2020 teve seu lado positivo. Pelo menos para algumas franquias do Nordeste, que fecharam o ano com bons resultados, e caminhando para ter um 2021 cheio de investimentos.

Maior franquia de açaí do mundo, com 300 unidades no Brasil e no exterior, a alagoana Açaí Concept superou os desafios, ganhou novas lojas e fortaleceu o sistema de delivery. Além de abrir 50 novas franquias no Brasil, principalmente no Sudeste, houve inaugurações também na Suíça, Equador, Chile e Canadá.

“Com a pandemia, investimos muito na proteção dos nossos clientes e ampliamos o sistema de delivery. Entre outras coisas, elaboramos um manual operacional para a retomada das operações de forma segura. Também reforçamos a comunicação com os franqueados e fizemos negociações direto com os fornecedores”, diz Rodrigo Melo, diretor da Açaí Concept.

Outra marca que vem expandindo os negócios é o Grupo Faaca. Além do já conhecido Faaca Boteco e Parrilla, o grupo pernambucano Faaca criou novas marcas e fez os primeiros investimentos no mercado internacional; em novembro inaugurou o Talho Faaca e o Faaca Burger e Parrilla em Portugal. Em menos de dois meses, inaugurou em Pernambuco, a primeira franquia do Faaca Burger e Parrilla.

O empreendimento oferece hambúrgueres feitos na parrilla, milkshake, novo smash, dog faaca, sobremesas e um menu reduzido de carnes. De acordo com o sócio Bruno Carrazzone, a expectativa é que em 2021 a nova marca tenha mais 15 unidades.

No mercado de comida chinesa, a Co Wok vem se destacando. Diferente da maioria das franquias que trabalham com comida chinesa em Pernambuco, que tem como público-alvo o consumidor de shopping, por exemplo, o sócio Thiago Arnaud fala que no estudo de mercado viu a possibilidade de abrir franquias perto de empresas e escritórios, para atender o público executivo.

Além disso, segundo Thiago, a franquia é diferente das outras por alguns motivos, um deles é a forma de como servir os clientes. “É fazer a comida chinesa que todo mundo conhece, mas de um jeito personalizado. O cliente consegue escolher a proteína, os molhos e mais uma de itens. Tudo isso com uma média de dois minutos. Cada pessoa monta o prato de acordo com o seu gosto”, comentou.

Mais informações sobre as franquias estão disponíveis nos sites: Açaí Concept (www.acaiconcept.com), Grupo Faaca (www.grupofaaca.com.br) e Co Wok (www.cowok.com.br)

Caruaru Shopping estará funcionando em horário especial a partir desta sexta (26)

O Caruaru Shopping, prezando sempre pelo bem-estar dos clientes e de todas as pessoas que trabalham no centro de compras, bem como seguindo as recomendações do Governo do Estado, diante do quadro da pandemia da Covid-19, estará funcionando com horário especial, a partir desta sexta-feira (26), até o dia 10 de março.

Nos dias 26 de fevereiro, 1, 2, 3, 4, 5, 8, 9 e 10 de março, que correspondem da segunda a sexta-feira, as lojas, quiosques, lazer e serviços estarão abertos das 8h às 20h. Nos sábados, 27 de fevereiro e 6 (feriado da Revolução Pernambucana), o horário de funcionamento será das 8h às 17h. Já nos domingos, 28 de fevereiro e 7 de março, a abertura acontecerá das 9h às 17h.

A Praça de Alimentação, de segunda a sexta, funcionará das 11h às 20h. Nos sábados, das 11h às 17h, bem como nos domingos, das 11h às 17h.

A academia, de segunda a sexta, estará aberta das 6h às 20h. Nos sábados, das 8h às 17h, e, nos domingos, das 9h às 15h.

Já o Hipermercado funcionará todos os dias, das 7h às 22h, e o cinema conforme horário de sessão, respeitando o decreto governamental.

O gerente de Marketing do Caruaru Shopping, Walace Carvalho, lembra que essa é uma medida preventiva e temporária. “O horário de funcionamento pode ser revisto a qualquer momento”, adiantou.

O Caruaru Shopping está localizado na Avenida Adjar da Silva Casé, 800, Bairro Indianópolis.

Caruaru é a segunda melhor cidade do Nordeste em Serviços Públicos, segundo pesquisa

Caruaru mais uma vez obteve destaque no que se refere a pesquisas encomendadas pela Revista Exame. Depois de ocupar posições no ranking dos 100 melhores municípios para se fazer negócios no Brasil, agora, a Capital do Agreste alcançou resultados expressivos na lista das 100 maiores cidades do país. Desta vez, o levantamento da edição nacional foi feito pela consultoria Macroplan, com base no Índice de Desafios da Gestão Municipal (IDGM).

Realizado pelo quinto ano, o IDGM analisa 15 indicadores de quatro setores tidos como essenciais na esfera pública, sendo eles a Segurança, Saúde, Educação, além do Saneamento/Sustentabilidade. Nesses segmentos são avaliados dados referentes à qualidade de ensino, à taxa de mortalidade infantil, aos números referentes à prática de homicídios, ao serviço de esgotamento, entre outros fatores.

De acordo com o estudo da Macroplan, Caruaru ocupou a 68ª posição no ranking geral em nível de Brasil e a segunda colocação em nível de Nordeste. Já no âmbito estadual, a Capital do Agreste obteve, respectivamente, a primeira e a segunda posições nos setores de Saúde e Saneamento/Sustentabilidade, além da terceira e da sexta colocações em relação aos segmentos de Educação e Segurança.

Desempenhos esses importantes, conforme ressaltou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Economia Criativa de Caruaru, André Teixeira Filho. “A partir do momento em que a cidade se apresenta organizada, a tendência é de que novos investimentos sejam feitos, dinamizando a economia local, com a geração de receita, emprego e fonte de renda. Cenário esse que está sendo percebido em Caruaru, através do governo da prefeita Raquel Lyra, e que vem conquistando excelentes resultados em pesquisas nacionais”, afirmou.

Pernambuco suspende retorno das aulas nas escolas públicas municipais

O governo de Pernambuco anunciou, nesta terça-feira (23), a suspensão do retorno das aulas presenciais, na rede de ensino municipal, em todas as 184 cidades do estado. A proibição, em razão do avanço de casos da Covid-19 e alta ocupação de leitos em hospitais, se estende até o próximo dia 12 de março. Em decisões anteriores, as unidades escolares haviam sido liberadas para retorno gradual, a partir do dia 1º de março, com o retorno dos anos finais do Ensino Fundamental. Contudo, o cenário epidemiológico, analisado pelas autoridades de saúde, motivou o recuo.

“A nova aceleração da doença tem superlotado os sistemas de saúde e vem repetindo o mesmo caminho de 2020, começando pelos Estados do Norte e, agora, chegando com força ao Nordeste”, afirmou o governador Paulo Câmara. Segundo ele, caso o índice de ocupação de leitos de UTI permaneça subindo, marca que já atinge 90%, será preciso a adoção de medidas ainda mais duras nos próximos dias. No panorama atual, as aulas presenciais para a Educação Infantil e Fundamental, na rede pública, estão suspensas desde 16 de março de 2020. Já a rede particular de ensino foi autorizada a retomar aulas no modelo presencial desde outubro de 2020.

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) já havia denunciado um quadro de precariedade nas escolas municipais de Pernambuco. Em auditoria realizada, no último mês de dezembro, o órgão anunciou a conclusão de que as unidades de ensino, que recebem crianças e adolescentes dos ensinos Fundamental I e II, estão em péssimas condições de operação até mesmo se não houvesse uma pandemia. “Algumas dessas escolas não têm água e nem energia elétrica dentro do que se exige para o funcionamento, além de outros problemas estruturais. O que se verificou foi que, desde antes da pandemia, já havia problemas sérios”, disse, à época, o presidente, Dirceu Rodolfo de Melo Júnior.

De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, o novo calendário de retomada das aulas presenciais na rede pública deve seguir a seguinte programação: Os anos finais do Ensino Fundamental, autorizado o retorno em 15 de março, enquanto os anos iniciais, com volta em 22 de março. Já a Educação infantil, deve voltar a receber as crianças apenas no dia 29 de março. A posição não interfere no funcionamento das escolas privadas e das estaduais que oferecem Ensino Médio, onde permanece o ensino híbrido, com aulas remotas e presenciais.

Discussão
Diante das novas deliberações em Pernambuco, a Câmara Municipal do Recife anunciou que realizará uma audiência pública virtual, programada para a próxima quinta-feira (25), às 15h, para debater o retorno às aulas na rede pública de ensino. Proposta pela vereadora Liana Cirne (PT), a audiência foi aprovada por unanimidade na Casa. Também foi proposta, ainda cabendo avaliação, a criação de uma Comissão Especial Suprapartidária de Apoio, Acompanhamento e Fiscalização da Rede de Ensino Municipal do Recife. Segundo parlamentares, o objetivo é de avaliar as condições das escolas do Recife perante o cenário de pandemia.

Atividades econômicas proibidas em 63 municípios do Agreste e Sertão

Todas as atividades econômicas e sociais estarão proibidas, a partir da próxima sexta-feira até o dia 10 de março, em 63 municípios pernambucanos das Gerências Regionais de Saúde (Geres) com sede em Limoeiro, Caruaru e Ouricuri. Segundo decreto do Governo de Pernambuco, o funcionamento não estará liberado entre 20h e 5h. Já nos finais de semana a restrição será ainda maior e as atividades estarão proibidas entre 17h e 5h, com apenas os serviços essenciais liberados para funcionar. Além disso, a proibição de eventos foi prorrogada por mais 15 dias em todo o estado.

Segundo o governador Paulo Câmara, em pronunciamento neste terça-feira, as medidas foram adotadas por conta dos números crescentes da pandemia e da lotação acima de 90% dos leitos nessas três Geres. “Temos acompanhado o início de segunda onda do coronavírus, que tem superlotado o sistema de saúde do país, começando pelos estados do Norte e agora chegando com força no Nordeste. Estamos monitorando os números diariamente em todas as regiões do estado e, caso os números de ocupação de leitos continuem subindo, teremos que tomar medidas mais duras nos próximos dias”, afirmou.

No anúncio, Paulo Câmara ainda informou que o retorno às aulas nas escolas públicas municipais vai permanecer suspenso até o dia 12 de março.

Municípios que fazem parte das três Geres:

II GERES

Municípios (20): Bom Jardim, Buenos Aires, Carpina, Casinhas, Cumaru, Feira Nova, João Alfredo, Lagoa de Itaenga, Lagoa do Carro, Limoeiro, Machados, Nazaré da Mata, Orobó, Passira, Paudalho, Salgadinho, Surubim, Tracunhaém, Vertente do Lério, Vicência.

IV GERES

Municípios (32): Agrestina, Alagoinha, Altinho, Barra de Guabiraba, Belo Jardim , Bezerros, Bonito, Brejo da Madre de Deus, Cachoeirinha, Camocim de São Felix, Caruaru, Cupira, Frei Miguelinho, Gravatá, Ibirajuba, Jataúba, Jurema, Panelas, Pesqueira, Poção, Riacho das Almas, Sairé, Sanharó, Santa Cruz do Capibaribe, Santa Maria do Cambucá, São Bento do Uma, São Caetano, São Joaquim do Monte, Tacaimbó, Taquaritinga do Norte, Toritama, Vertentes.

IX GERES

Municípios (11): Araripina, Bodocó, Exu, Granito, Ipubi, Moreilândia, Ouricuri, Parnamirim, Santa Cruz, Santa Filomena, Trindade.

Diario de Pernambuco

‘Nunca vivemos uma interferência política tão extrema na saúde pública’, diz Dimas Covas

O Instituto Butantan completa, nesta terça (23), 120 anos, num momento em que sob os holofotes –na imprensa, na boca do povo e no meio de uma disputa com o governo federal. A vacina contra a Covid-19 que a instituição desenvolve com a farmacêutica chinesa Sinovac continua sendo alvo de disputa entre o governo de São Paulo, liderado por João Doria (PSDB), e o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e não só foi a primeira a ser aplicada no Brasil como é a que está disponível em maior quantidade no país.

A tradição na produção de vacinas é antiga. Ao longo de sua história, o instituto se destacou como um dos principais produtores de vacina no país e, junto à BioManguinhos, da Fiocruz, fornece cerca de 75% de todas as vacinas do Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde.

Às vésperas dessa celebração, o diretor do Instituto Butantan, o médico Dimas Tadeu Covas, 64, disse à Folha que o Brasil não tem se preparado para enfrentar pandemias como a que vivemos e que falta visão estratégica em relação a essas ameaças. Também afirmou que a interrupção das campanhas de vacinação não se deve à logística, mas à falta de planejamento, e fez duras críticas à atuação do governo federal na pandemia.

“Nunca existiu, até então, uma interferência política tão extrema na questão da saúde pública ao ponto de certas autoridades negarem a importância das vacinas, negarem a própria pandemia. E nós vivemos muito tempo lutando contra isso, o próprio Ministério da Saúde investindo em caminhos alternativos que não levaram a nada a não ser o uso indevido de recursos públicos em tratamentos que não têm nenhuma finalidade. É uma situação absolutamente surreal a que vivemos na área da saúde pública e, infelizmente, explica por que o Brasil é vice-campeão em mortes pela Covid-19.”

De olhos no futuro, o instituto tem planos de expansão para se tornar o maior produtor de vacinas da América Latina.

Pergunta – O Ministério da Saúde disse na última semana que esperava 9,3 milhões de doses do Butantan até o final de fevereiro, mas a capacidade de produção comunicada pelo senhor é de 2,6 milhões de doses até o fim do mês. A que se deve essa discrepância?
Dimas Covas – Na realidade, esse era o cálculo previsto no contrato que foi assinado em 7 de janeiro e teria sido integralizado caso não houvesse ocorrido o problema com a importação da matéria-prima, mas essa menção que o Ministério da Saúde fez é completamente fora da realidade.

Já foi demonstrado que o Butantan fez ofertas de vacinas ao ministério desde julho do ano passado e ele sempre negou. Caso tivesse aceitado, poderíamos ter entregado as doses desde novembro de 2020, e o ministério não se mexeu nesse sentido. O contrato foi assinado tardiamente com o Butantan, então colocar a responsabilidade do atraso do PNI no Butantan me parece gratuito, mesmo porque a vacinação só começou porque o Butantan entregou as doses.

O ministério diz ter garantido 354 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 contratadas até o momento para serem distribuídas à população ainda neste ano. Acha esse número factível?
DC – Mais uma vez, é a visão absolutamente burocrática com base apenas em números que estão nos contratos, mas não tem relação nenhuma com a realidade. Os dois maiores contratos que o Ministério da Saúde fez e inclusive já pagou foram o da Oxford/AstraZeneca e do Covax, e até o momento as empresas não entregaram nenhuma dose da vacina. A vacina que veio da AstraZeneca não era parte do contrato, ela veio da Índia. Se o ministério conseguir 80, 100 milhões de doses até julho desse ano será uma grande vitória. Eu, particularmente, tenho certas reservas em acreditar que isso acontecerá; acho que tem uma boa dose de esperança e não de fato nos dados da realidade que vivemos hoje.

Dentro do contrato finalizado estão de 100 milhões de doses do Butantan; essas serão entregues até quando?
DC – Nós trabalhamos nesse momento com a previsão de entrega até agosto, com a possibilidade de adiamentos. Trabalhamos por isso pelo nosso compromisso com a população brasileira, pela importância da vacinação nesse momento e pelo fato de não termos mais problema de fornecimento de matéria-prima, que está chegando regularmente. Agora esperamos que não ocorra mais nenhum problema, principalmente da área de relacionamento Brasil-China, que possa interferir nesse cronograma.

Quais os gargalos que enxerga hoje, na produção e distribuição das doses? Por que as capitais ficaram sem doses e o que seria necessário nesse momento para acelerar a entrega das doses?
DC – A logística não é o problema. O que falta mesmo é planejamento. O Brasil tem um programa de vacinação relativamente consistente, mas cuja execução é muito heterogênea, pois ela depende do município, e cada município hoje tem seus critérios. Houve uma heterogeneidade muito grande de planejamento das vacinas da Covid. Tem estados que avançaram em faixas não previstas no primeiro momento e outros que não controlaram adequadamente a distribuição de doses, criando escândalos de fura-filas como vistos por aí.

Acredito que o sistema precisa ser aperfeiçoado, mais controlado, mais planejado, porque hoje há muitos municípios que interromperam o processo de vacinação sendo que existe ainda um grande quantitativo de vacinas em estoque, armazenadas para a segunda dose.

Na pandemia, a relação entre Butantan e Ministério da Saúde teve idas e vindas, com anúncio de compra, recuo, anúncio de compra novamente e agora com essa troca de acusações. Por que essa relação tão difícil?
DC – Nunca existiu, até então, uma interferência política tão extrema na questão da saúde pública ao ponto de certas autoridades negarem a importância das vacinas, negarem a própria pandemia. Isso é inédito na história do Brasil. Nunca se viu um obscurantismo tão grande em relação a um fato tão claro que é a epidemia, sua relevância do ponto de vista médico, social e econômico. E nós vivemos muito tempo lutando contra isso, o próprio Ministério da Saúde negando a gravidade, investindo em caminhos alternativos que não levaram a nada a não ser o uso indevido de recursos públicos em tratamentos que não têm nenhuma finalidade.

É uma situação absolutamente surreal a que vivemos na área da saúde pública e, infelizmente, explica por que o Brasil é vice-campeão em mortes pela Covid-19.

Como vê a resistência neste momento à vacina contra a Covid-19? A última pesquisa Datafolha mostrou que ela caiu (agora, 79% dizem querer se imunizar, contra 73% em dezembro), mas 20% de negação ainda é considerável, não?
DC – Isso é o tipo de atitude que vai desaparecer rapidamente. À medida que as vacinas vão demonstrando a sua efetividade, os céticos vão ser impactados pela realidade. Obviamente sempre vai permanecer um percentual da população que é antivacina, contra qualquer tipo vacina. Se no futuro essa infecção se tornar endêmica, como é esperado, será necessário usar mecanismos para garantir que as pessoas, caso queiram ingressar em certos tipos de atividades ou trabalhos, terão que apresentar o passaporte de vacinação como acontece com outras doenças.

Por que o Butantan não liderou a produção nacional de uma vacina já em 2020 e por que as vacinas em desenvolvimento no país demoram tanto para concluir as etapas pré-clínicas? O que falta?
DC – As vacinas contra Covid-19 são absolutamente novas. Nós estamos com um ano e pouco de pandemia e é uma situação absolutamente não prevista. O fato de hoje termos vacinas que estão sendo utilizadas é porque elas se valeram de experiências anteriores com vacinas para outros coronavírus. No caso do Butantan, é uma situação inédita e demora um certo tempo para colocar em prática a produção de uma vacina do zero. Mesmo assim a evolução tem sido muito rápida e esperamos resultados até o final do ano.

O dinheiro investido com a compra das doses não poderia ter sido investido na fábrica de vacinas do Butantan para acelerar a produção nacional?
DC – O principal entrave não é falta de recurso ou de pessoal, mas, sim, a falta de preparo para enfrentar essas situações. O Brasil não tem, ao longo de toda a sua história, se preparado para enfrentar esse tipo de situação, ele sempre ingressa como retardatário. Não tem um sistema de vigilância ativa contra vírus emergentes ou mesmo algum setor encarregado de fazer isso. Falta uma visão estratégica em relação a essas ameaças.

Os países que já tinham passado por epidemias parecidas já estavam preparados, por isso investimos na compra dessas vacinas. Claro que com a pandemia essa necessidade surge, fica mais evidente. Quem sabe o país se torne capaz de criar essas estruturas e colocá-las para pensar esses desafios que virão pela frente.

O Instituto Butantan pretende implementar o CPV (Centro de Produção de Vacinas) para a produção de sete vacinas no país. Com isso, espera ser um centro de referência para produção de imunizantes em toda a América Latina?
DC – Exatamente, essa é uma das tentativas que vem no sentido de ter uma autossuficiência em vacinas, mas não só de vacinas para o setor público do Brasil, mas para a América Latina e quem sabe outras regiões do mundo, principalmente as mais pobres e mais necessitadas de vacinas.

Existe uma grande assimetria no mundo em relação às vacinas, com os países mais ricos concentrando mais de 80% do consumo das vacinas e os países de renda média ou baixa com muita dificuldade. Por isso, organizações como o Butantan precisam aumentar sua capacidade de produção, olhar para essas grandes diferenças que existem no mundo e tentar ajudar por meio de organismos internacionais como a Unicef, a OMS [Organização Mundial da Saúde] e a Opas [Organização Pan-Americana de Saúde].

A previsão de inaugurar a fábrica a partir do segundo semestre deste ano está mantida?
DC – O CPV é uma fábrica multipropósitos que vai produzir não só a Coronavac mas também poderá produzir outras sete vacinas no país. Ela deve estar pronta ainda até o final deste ano e vai começar a funcionar a partir do ano que vem.

Uma lei aprovada pelo Congresso fixa prazo de cinco dias para que a Anvisa autorize o uso emergencial de vacinas no Brasil, desde que aprovadas por organismos internacionais. O que pensa a respeito?
DC – Como vê o lobby em Brasília pela vacina Sputnik e a pressão sobre a Anvisa? Eu vejo com muita preocupação. A Anvisa é a autoridade sanitária do país e existe para proteger a população. Toda vez que há uma intervenção externa, qualquer que seja, isso preocupa.

O que nós devemos exigir da Anvisa é rapidez, presteza nos seus processos de análise, melhoria na qualidade dessas análises. Agora interferir diretamente nos procedimentos dizendo isso ou aquilo é muito perigoso e pode criar uma prerrogativa.

Há um estudo em andamento da Coronavac com as variantes do vírus em circulação?
DC – Sim, há estudos em andamento na China contra as variantes do Reino Unido e da África do Sul, e tem um estudo em andamento aqui no Brasil com relação à variante de Manaus, chamada P.1. Em breve teremos esses resultados. Preliminarmente, parece que a Coronavac vai bem contra as variantes inglesa e sul-africana, mas são resultados preliminares.

Como acha que essas variantes podem impactar as campanhas de vacinação pelo mundo? A África do Sul já cancelou a campanha com a vacina de Oxford por isso. As pessoas podem ficar mais reticentes a se vacinarem?
DC – O que pode acontecer é a vacina não proteger totalmente contra a nova variante, e isso não seria motivo para interromper a campanha de vacinação, mesmo porque as variantes anteriores também continuarão a circular.

Se de fato há uma vacina não efetiva contra determinada variante, ela precisa ser adaptada também para fazer a cobertura dessa variante, eventualmente prevendo uma dose adicional.

O aparecimento de variantes é uma coisa absolutamente normal e esperada. À medida que a pandemia vai progredindo, novas variantes irão surgir e, se você já tem uma imunidade natural, mesmo que não seja altamente efetiva, algum grau de proteção vai dar.

Pensam em fazer atualização da vacina?
DC – Sim. Como as plataformas [das vacinas] já estão bem estabelecidas, a adaptação para as novas variantes não vai representar um grande desafio. O grande desafio será em relação à cadeia de produção, ao volume muito grande de doses produzidas, e isso demanda uma logística mais complicada. Caso seja verificada a necessidade dessa mudança [de cepa para a produção da vacina], ela será gradual.

Raio-X
Natural de Batatais (SP), Dimas Tadeu Covas deixou temporariamente o cargo de professor na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto em 2017 para assumir a direção do Instituto Butantan. Graduou-se em medicina (1981) e fez mestrado (1986) e doutorado (1993) na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP. É especialista em hematologia.

Folhapress

Colisão entre van e carreta-cegonha deixa feridos na BR-232, em Vitória de Santo Antão

Uma colisão entre uma van e uma carreta-cegonha deixou dois feridos no quilômetro 39 da BR-232, em Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata de Pernambuco.

O acidente ocorreu no final da manhã de terça-feira (23), segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

De acordo com a polícia, o motorista da van perdeu o controle após a carreta colidir na lateral traseira.

A van, que transportava seis passageiros, chegou a sair da rodovia e ficou parada embaixo des um barranco.

Dois dos passageiros ficaram levemente feridos e foram socorridos para o Hospital João Murilo, em Vitória. O motorista da carreta ficou ileso.

“Ambos fizerem o teste do bafômetro e o índice foi zero para a ingestão de bebida alcoólica”, informou a PRF.

Folhape

Governo federal lança guia com boas práticas de gestão para novos prefeitos

O governo federal lançou nesta terça-feira (22), no Palácio do Planalto, o ‘Guia do Novo Prefeito + Brasil’. A cerimônia reuniu ministros, prefeitos e autoridades, entre elas o presidente do Sebrae, Carlos Melles. O documento, elaborado com apoio do Sebrae e outros parceiros, tem o objetivo de apoiar os novos gestores municipais do país durante seus mandatos, em especial nos 100 primeiros dias de início na gestão, e traz orientações, legislação atualizada e referências de boas práticas.

Dividido em cinco eixos – Prefeito, Governança, Social, Território e Finanças – o guia dispõe de informações rápidas e práticas sobre recursos financeiros e consórcio para a gestão municipal, orientações sobre como usar a Plataforma +Brasil, modelos de planejamento estratégico, além de exemplos de boas práticas de transparência e prestação de contas. O Presidente da República, Jair Bolsonaro, participou do evento e lembrou que o Brasil começa nos municípios. “O início de uma gestão não é fácil e nós devemos contar com meios e com gente de confiança ao nosso lado. Esse momento é de confraternização, onde os prefeitos se encontram, trocam ideias e ajudam um ao outro, a cada vez mais administrar o seu município. O povo brasileiro espera de todos nós, que sejamos competentes o suficiente para lhe proporcionar momentos de alegrias”, enfatizou o presidente.

Carlos Melles, presidente do Sebrae, destacou que o Guia lançado pelo governo federal vai contribuir para tornar o ambiente de negócios mais acessível às pequenas empresas, principalmente por meio das compras públicas municipais, que são um importante instrumento de promoção do empreendedorismo. “O Sebrae é um parceiro histórico dos prefeitos brasileiros. Temos trabalhado em sintonia com os gestores municipais de todo o país em favor do estímulo ao empreendedorismo e para que as nossas prefeituras se tornem – efetivamente – fomentadoras dos pequenos negócios locais”, comenta Melles.

Para a Secretária Especial de Assuntos Federativos da Secretaria de Governo da Presidência da República, Deborah Arôxa, a atual realidade imposta pela pandemia, trouxe desafios nunca vistos para a administração pública e a nova agenda de prefeitos irá unificar a administração do país. “Estamos congregados em uma única agenda de trabalho, para que possamos construir, colaborativamente, uma nova forma de implementar coletivas públicas. Trabalharemos conjuntamente, com todos os ministros e os técnicos dos ministérios, para que tenhamos um país cada vez mais íntegro, mais integrado, inovador, transparente, mais simples e efetivo”, destacou. Deborah Arôxa, também detalhou que para a criação do primeiro do ‘Guia do Novo Prefeito + Brasil’, foram necessárias mais de 450 horas de trabalho, contando com o apoio de mais de 140 servidores públicos estaduais, municipais e federais, que resultaram em 300 páginas de conteúdo e 40 horas de curso, que irão estruturar ações efetivas nos 100 primeiros dias do mandato dos novos prefeitos.

O ‘Guia do Novo Prefeito + Brasil’ já está disponível para download e pode ser encontrado, na sua integralidade, no Portal da Secretaria de Governo, clicando aqui.

Gestão empreendedora nos municípios brasileiros

O Sebrae também é parceiro dos municípios e desenvolve iniciativas que contribuem para o desenvolvimento local com foco no empreendedorismo.

Em setembro do ano passado, em pleno processo eleitoral para escolha dos novos gestores municipais, a instituição lançou o ‘Guia do Candidato Empreendedor’, que apresenta uma série de propostas para incentivar o empreendedorismo nas gestões municipais. Diante da pandemia do coronavírus e do desafio de superar a crise, o Sebrae ofereceu oportunidades para os novos líderes participarem do ‘Programa Cidade Empreendedora’, onde recebem apoio para desenvolver ações direcionadas para a melhoria do ambiente de negócios nos municípios.

A entidade também reconhece, desde 2000, o trabalho de gestores comprometidos em criar condições favoráveis para o fortalecimento e crescimento dos pequenos negócios em suas regiões. O ‘Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor’ já alcançou o total de 9.989 projetos inscritos, sendo 918 vencedores estaduais e 94 nacionais, confirmando o seu impacto junto aos atores políticos.

Publicidade

Facebook

x